terça-feira, 14 de abril de 2009

Agricultores de mais três municípios sergipanos aderem ao Plano Sertanejo

Poço Redondo, Porto da Folha e Poço Verde são as novas cidades a receberem financiamentos do Banese para as despesas com a pecuária e a agricultura

Após a assinatura de contratos em Canindé do São Francisco e Nossa Senhora da Glória na última terça-feira, 7, agricultores dos municípios de Poço Redondo, Porto da Folha e Poço Verde estarão aderindo oficialmente ao Plano Sertanejo nos dias 14, 16 e 17 de abril. Os beneficiários do plano poderão usufruir de linhas de financiamento voltadas para o custeio pecuário e agrícola, disponibilizadas pelo Banco do Estado de Sergipe – Banese - a fim de minimizar os impactos causados pela estiagem prolongada.

Em cumprimento a uma determinação do Governo do Estado, o sistema garante a cada agricultor o recurso máximo de R$ 8 mil para custeio, ou seja, destinados à compra de alimento para o rebanho, a depender do número de animais de cada produtor e de sua capacidade de pagamento. Com recursos próprios, o Banese se propõe a financiar a alimentação do gado por um período de 30 a 90 dias, mediante a taxa de juros anual de 6.75%.

Ao assinar o contrato, cada produtor receberá o recurso solicitado dentro de algumas horas. Futuramente, esses mesmos trabalhadores poderão executar projetos de investimento submetendo-se a taxas de juros que resultará em 3.75%. Os impedimentos por situações de inadimplência em outros bancos, referentes a programas de agricultura familiar, estão sendo simplificados para assegurar recursos imprescindíveis no período crítico, uma vez que os benefícios são amparados pelo Fundo de Aval do Governo.

Para minimizar ainda mais o sofrimento do agricultor e estimular práticas de convivência com o semi-árido, o Banese ainda investirá na perfuração de poços artesianos; plantio de palma; abertura de aguadas, espaços que retém a água da chuva e representam uma importante alternativa para a sobrevivência dos animais, além de outras estratégias que visem melhorar a condição hídrica da região.

Em Canindé do São Francisco, até o dia 7 o valor médio por contrato liberado foi de R$ 3 mil, um capital que resultou no financiamento inicial de R$ 345.500 mil para os produtores do município, mediante a assinatura de 140 contratos por trabalhadores assistidos pela Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe – Emdagro - e pela Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe - Cohidro. Em Nossa Senhora da Glória, houve a adesão de 19 contratos até a referida data, cujo valor médio liberado se deu em torno de R$ 4.200 mil, que representaram o financiamento inicial de R$79.844,00.

Fonte: www.cinform.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário